O sexto dia no Caminho teve muito, mas muito, vento. E foi vento quase de frente, ininterrupto, com 54km/h de média e rajadas de até 90km/h, registradas pelo weather-fourteen para as 14h. Nestas condições, descidas de até 4° de inclinação funcionavam como subidas, exigindo marchas de subida para avançarmos. Não bastasse isso, foram 662m de ganho de elevação, em apenas 35km. Praticamente só subidas, no percurso inteiro. Pelo menos, não chovia, pelo que demos graças à galinha sagrada de la calzada.

Este que vos escreve, entre Espinosa Del Camino e Villafranca (foto da Bia)

Sintam a força do vento vindo de sudoeste que pegamos, neste vídeo que a Bia gravou, e lembrem que estávamos indo no rumo oeste.

Mas, vamos começar pelo início.

Saímos de Santo Domingo pela avenida de la Rioja, passando por uma antiga área industrial, rumo à cidade de Grañon.

Até chegarmos a Grañon foram só subidas ininterruptas, até então com frio, vento mediano e chuva fina. Só após a saída da cidade é que vimos a primeira descida. Curta, e já veio mais subida. A chuva, gelada, ia e vinha, alternando com períodos de estiagem, quando eu aproveitava para fotografar.

Depois dessa primeira descida, já rumo a Redecilla Del Camino, é que a chuva parou de vez. Mas foi um alívio por pouco tempo, porque logo começou a aumentar o vento.

Redecilla Del Camino é a primeira cidade da província de Burgos no Caminho. É um pequeno vilarejo, em meio a uma paisagem rural muito linda, mesmo no clima hostil que enfrentávamos.

Depois, passamos por Caltildelgado, Vitória de Rioja e Belorado, sempre sob ventos vindes de sudoeste, com rajadas de intensidade crescente, que chegavam a desestabilizar as bikes, exigindo constantes manobras de reequilíbrio, que nos deixavam com os braços doloridos.

Belorado é um vilarejo pequeno, aparentemente ligado ao artesanato do couro. Cruzado pelo rio Tirón, ostenta uma bela ponte de pedra.

Nas três fotos acima, o rio Tirón e a ponte em Belorado

Num raro momento de arrefecimento do vento, sob pesadas nuvens, mas sem chuva, avançamos para Tosantos, apenas pitoresca, sem obras históricas. Mas com campos e casinhas rurais charmosas demais.

E assim fustigados pelo vento e sempre subindo (mesmo nas poucas descidas, para vencer a barreira das rajadas de frente), passamos por Villambistia, antes de alcançar nosso destino do dia.

Logo depois de Villambistia, paramos em Espinosa Del Camino, para fugir um pouco do vento implacável, num bar identificado só como “Cantina”.

Comemos macarrão com frango e conversamos com a atendente, que tentava ajudar um grupo de coreanos que pensava que ali era um albergue. Foi bem engraçado, mas não tem fotos para mostrar.

Depois seguimos adiante.

Nas duas fotos acima, os lindos campos de canola e trigo em Villafranca Montes de Oca

Chegar a Villafranca Montes de Oca e encontrar o calor e conforto do Hotel San Anton Abad foi uma benção. Depois de tanto perrengue, tivemos jantar e noite de rei e rainha:

Nas fotos acima, nosso quarto no Hotel San Anton Abad
Anton Luiz, o abade, em seu trono

Anton Luiz, o abade, descansando

Resumo do dia 6 – Caminho de Santiago

Percurso: de Santo Domingo de La Calzada a Villafranca Montes de Oca

Distância e ganho de elevação: 35,1km com 661,1m de ganho de elevação

Até amanhã!

4 comentários sobre “8 de maio de 2.019 – 6° dia – Santo Domingo de la Calzada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.